Por que não colocar câmeras nos nossos policiais?

Home/Curioso, Político, Tecnológico/Por que não colocar câmeras nos nossos policiais?

Por que não colocar câmeras nos nossos policiais?

Grande parte das reclamações de muitos brasileiros nesses últimos meses, e em especial após as manifestações de Junho de 2013, foram quanto à truculência, corrupção, abuso de poder e crimes praticados por policiais civis e militares (esses últimos em especial). Enquanto o governo finge olhar para cima quando pedimos mais segurança e para o lado quando pedem o fim dessa classe policial, talvez haja outra solução capaz de resolver muitos dos problemas de abusos de poder e ineficiência dos oficiais: câmeras.

A ideia começou na cidade de Rialto, Califórnia. Um grupo de pesquisadores da força policial resolveu começar um estudo colocando câmeras minúsculas no equipamento de metade da força policial da cidade, que tem 100.000 habitantes, por um ano e meio. Os policiais deveriam começar a gravar a partir do momento em que saíam da viatura para qualquer coisa, sendo que a câmera possuia um buffer que mantinha gravados os 30 segundos anteriores ao início da gravação e 30 segundos posteriores ao fim da mesma. Qualquer quebra de protocolo era percebida por quem avaliava os vídeos.

Depois dos dois anos de experiências, a cidade de Rialto viu uma queda de 88% da reclamação de cidadãos contra os oficiais, comparados a quedas de um máximo de 24% no ano anterior à pesquisa. Além disso, a força policial da cidade usou de intervenção física 60% menos, em 25 ocasiões contra 61 do ano sem câmeras. Não bastando essa diminuição extremamente positiva, o estudo também esclareceu que a maioria desses excessos foram feitos por oficiais que não usavam câmeras, mostrando o potencial enorme das mesmas de promover a autovigilância.

Obviamente, estes números e o que sabemos do experimento em Rialto não dizem tudo, e ainda há muito a ser discutido. O que os policiais podem achar ruim quanto à tecnologia? Bom, alguns oficiais da cidade californiana não gostaram da ideia, mas não tinham como dizer não. Como a obrigação de nossos policiais é serem sempre transparentes na manutenção da lei e da ordem, a opinião deles também não importa. Se virar lei, é lei e pronto.

Mas e quem pode ver esses vídeos? A privacidade dos cidadãos que podem se encontrar nesses vídeos, seus nomes, rostos e endereços tornam difícil aceitar a possibilidade da vigilância ser comunitária. Se essa questão não se apresentasse, bastaria criar um site na internet com os vídeos para que as próprias pessoas reportassem condutas impróprias. Sendo assim, fica muito difícil e custoso vigiar policiais de uma cidade tão grande como, por exemplo, São Paulo. Seriam milhares de câmeras ligadas em um dado momento.

Ainda assim, a proposta é promissora. Em cidades menores, com 10.000 a 100.000 habitantes, esse tipo de lei poderia passar facilmente e com custo baixo, causando um efeito muito positivo na atuação de nossos policiais; eles saberiam que estão sendo vigiados o tempo todo, e portanto não poderiam abusar dos descansos, ignorar chamados, agredir moradores da periferia sem necessidade, cobrar propina ou incriminar inocentes. É claro, tudo isso exigiria um trabalho bem arquitetado e honesto no cuidado da vigilância e punições adequadas dentro da polícia.

Policiais militares do Rio de Janeiro já usaram as câmeras em manifestação de professores. Que tal ampliar a abrangência e a fiscalização? (Fonte: Extra)

Policiais militares do Rio de Janeiro já usaram as câmeras em manifestação de professores.
Que tal ampliar a abrangência e a fiscalização? (Fonte: Extra)

Em cidades grandes, mesmo que nem todos os oficiais pudessem ser assistidos a todo momento, o sistema seria, ainda assim, positivo para a operação policial da cidade. A simples possibilidade de estarem sendo vigiados já os faria pensar duas vezes antes de cometer excessos, erros ou abusos, já que nunca saberiam se são eles no olho do Big Brother. Um bom exemplo de como esse receio funciona está na política de pirataria americana. Milhões de cidadãos baixam músicas, filmes, séries e livros no país todos os dias, mas só dezenas deles são rastreados e punidos todo ano. Por haver essa possibilidade de “ganhar” na loteria, outros milhões de americanos decidiram abandonar a prática.

Outro grande exemplo da  eficiência das câmeras de vigilância individuais é bem provada na Rússia. Com certeza você já deve ter visto um daqueles vídeos de pessoas entrando na frente de carros e fingindo atropelamento simplesmente para poder entrar com um processo lucrativo. Como ninguém é bobo, a maioria dos russos tratou de arrumar uma câmera para poder provar que não fez nada de errado.

Sejamos, portanto, realistas: dada a corrupção dos altos poderes dentro da PM e do nosso governo, fica muito difícil acabar com a instituição, e isso também não evitaria que a polícia continuasse fazendo coisas erradas. Então por que não aproveitar da internet e da facilidade de gravação de nossos tempos modernos para podermos avaliar seus trabalhos com mais eficiência? Sairia muito mais barato e salvaria vidas. Só precisa ser bem feito.

O que você acha da ideia? Contribua nos comentários.

Comentários no Facebook
By | 2014-03-20T09:19:59-03:00 março 20th, 2014|Curioso, Político, Tecnológico|0 Comments

About the Author:

Claudio
Mineiro de 25 anos apaixonado por tecnologia, inovação, ciências e comunicação. Ávido por aprender e compartilhar cada vez mais, e apaixonado por emitir opiniões que possam tornar o mundo melhor.

Leave A Comment

%d blogueiros gostam disto: