Segundo período na UFOP… O que mudou quanto à homofobia?

Home/Político/Segundo período na UFOP… O que mudou quanto à homofobia?

Segundo período na UFOP… O que mudou quanto à homofobia?

É difícil começar esse post porque tem várias coisas que posso comentar. Há pouco mais de seis meses eu era um calouro nessa universidade e ainda estava conhecendo tanto o espaço acadêmico quanto as relações sociais da cidade e das repúblicas. Muitas das impressões que eu tinha mudaram, mas muitas continuam. Posso dizer, logo de cara, que se eu tinha vontade de batalhar no começo, agora eu teria mais vontade ainda. Conhecer diversos homens e mulheres de várias repúblicas, casas, apartamentos e regiões da cidade me fizeram ter ainda mais respeito e admiração pelo sistema que existe aqui e por algumas de suas tradições. Muita gente já tem noção, mas pensando nos que estão chegando ou nos que pensam em vir, seguem algumas das minhas impressões:

  • Ex-moradores sempre voltam. É emocionante ir em um aniversário de uma república (especialmente as mais antigas) e ver gente mais velha (tipo, seriamente mais velha) voltando para tomar uma cerveja, contar histórias, comparar momentos e integrar gerações e gerações de pessoas que têm uma mesma casa, os mesmos hinos em comum;
  • O companheirismo serve para tudo. Perrengues, estudos, rocks, pegação. Tem muita gente que acaba entrando nas prioridades erradas, mas a maioria das pessoas que se tornam irmãs em uma república são realmente irmãs. E isso segue além da casa, criando amizades que não vão embora e muitas, muitas histórias para relembrar. O companheirismo da UFOP chega a ser quase maçônico, porque ser de uma república significa que as pessoas que moraram ali com você estarão sempre por perto (mesmo que longe) para te ajudar, seja profissionalmente, economicamente ou de qualquer forma que for. Os ex-alunos também. Tudo acaba se tornando uma rede de apoio que te segue a vida inteira e traz retornos que pouquíssimas outras faculdades podem garantir;
  • O convívio com pessoas diferentes na mesma casa trazem um crescimento pessoal imenso. De aprender a arrumar a casa a cuidar mais das finanças, de entender e aceitar costumes que no início podem até parecer estranhos a respeitar pessoas que já passaram por situações como as suas e podem oferecer um pouquinho de aconselhamento (valeu pai, valeu mãe!);
  • Morar em uma república com outras pessoas acaba te apresentando coisas que você nem sabia que gostava, mas acabou descobrindo: jogos de baralho, matérias que nem são do seu curso, esportes, natureza ou até mesmo áreas que você nunca achou que teria interesse (política, filosofia, coleções, gêneros musicais…).

quadrinhos

Dito isso, os motivos que me levaram a escrever o primeiro texto acabam por ofuscar um pouco disso tudo. Ouve-se muito o discurso de representantes republicanos prometendo melhoras, mais compreensão, diversidade e acolhimento. Enquanto muitos da faculdade pressionam pelo sistema socioeconômico nas casas da faculdade (como acontece em Mariana), muitos outros, republicanos federais e particulares, tentam lembrar os estudantes dos benefícios da tradição, da história que ela carrega para a cidade e para a UFOP. Com certeza isso é muito valioso. No entanto, embora muitos dos discursos sejam “Estamos buscando um meio termo que agrade a todos”, a realidade não parece estar se aproximando disso. O foco parece ser em melhorar as condições das batalhas dos bixos, e não em pressionar questões que muitos concordam que são mais importantes: diversidade socioeconômica, de orientação sexual, respeito e maior tolerância.

Enquanto muitas repúblicas melhoraram por conta de seus atuais moradores nas questões sociais, outras ainda acreditam que as coisas devem ficar como estão. Quando eu entrei, não existia um Spotted para entender o que se passa pela cabeça de outros estudantes, mas agora isso existe, e aqueles que acompanham percebem que ainda há muita gente nessa faculdade que não concorda que mulheres podem pegar quantos caras elas quiserem (como os caras pegam), que os gays se fazem de vítima e não procuram as repúblicas (se for mesmo o caso, por que será?) e que não há preconceito racial na UFOP. Tem muita gente que realmente acredita estar certo(a) quando diz que orientação sexual diferente da heterossexual é sem-vergonhice, e isso acaba atrapalhando tudo. Afinal, se um decano quer aumentar a diversidade de sua casa, como fazer isso com amigos que são totalmente contra dividir o quarto com alguém que é gay?

Dá pra dizer quem é gay só olhando a foto? Importa?

Foram muitas as reações desde que saiu aquele texto. Tivemos aquele bixchaço no RU (convenientemente, os republicanos federais almoçaram em casa), debates sobre homofobia, diálogos nos grupos da faculdade e nos campus, mudanças de discurso e tentativas de melhorar a situação. Infelizmente nada resultou disso. Passou-se mais um período e pouquíssimo, se alguma coisa, mudou. As mesmas repúblicas que aceitavam gays continuam aceitando, as que não aceitavam continuam não aceitando, e a sensação na cidade é a mesma. Se em Mariana um rock de Economia tem gays, heteros, republicanos, “pensionistas”, jornalistas e pedagogos, um rock de Turismo em uma república federal recebe a avaliação “Putz, estava cheio de viado.” Como se isso fizesse a mínima diferença. Na UFOP, dentro do mesmo campus, tem gente da Escola de Minas achando que Artes Cênicas nem deveria existir. O ritmo de intolerância segue, perpetuado por pessoas que não precisam sentir isso. Elas poderiam estar aproveitando muito mais conhecendo gente de todo tipo.

O cara (hétero) que levou o amigo (gay) para o baile da escola porque o amigo não tinha um par.

Acho que um pouco dessa dificuldade das pessoas de melhorar a situação em Ouro Preto vem do clima atual de discussão. Antigamente, para se preparar para um debate, um grupo contra o desmatamento lia livros sobre os pontos positivos de se desmatar, conversava com aqueles responsáveis pelos desmatamentos e desvendavam seus motivos pessoais e ideológicos. Eles pesquisavam o grupo com quem iam contra exaustivamente para que tivessem autoridade ao ir contra ele. Para um debate, uma discussão e um aumento de conhecimento, todos procuravam conhecer os dois lados. Com os algoritmos do Facebook, o funcionamento da internet e o agrupamento de interesses comuns, esse hábito foi deixado de lado. Hoje, ler Marx automaticamente torna um ser humano comunista, marxista, esquerdista, gayzista, feminazi, maconheiro. Ler sobre a teoria do capitalismo e da economia globalizada automaticamente torna esse mesmo ser humano coxinha, reaça, machista, homofóbico, racista, filhinho de papai acomodado. Não existe mais o estudo por informação. Não existe mais a busca por convivência. E por esse já ser um problema em Ouro Preto, se a questão não se estagnou, provavelmente piorou. Há uns dois anos a ideia do ser homofóbico a ponto de recusar um morador gay era algo que estava começando a ser mal visto, e hoje em dia já existem mais pessoas que passam a mão na cabeça desse marmanjo e dizem “Essa é sua opinião, não tem problema se sentir assim, pode ter preconceito! É seu direito.” Infelizmente.

Não quero me demorar tanto quanto no outro texto. Peço compreensão das pessoas que estudam comigo. Viver 4 ou 5 anos em Ouro Preto em uma república sem gays não vai impedir que você tenha que conviver com colegas, vizinhos, familiares gays no futuro. Ser preconceituoso com uma pessoa por uma questão que ela não controla (gay, negro, mulher) não é algo que está OK, não é algo que você pode ter como ideologia porque você está afetando diretamente outras pessoas, e de forma muito negativa. Não é como escolher uma camisa azul ou vermelha.

Muita gente aqui na faculdade, tenho percebido, nunca teve um único contato direto com uma pessoa homossexual. Alguns evitam isso ativamente, se afastando de um amigo que sai do armário, ou de um homem que fale de forma muito feminina, por diversos motivos. Outros simplesmente não tiveram a oportunidade até agora. Muitas dessas pessoas acabam sendo mais aversas a ter contato com pessoas de outra orientação sexual justamente por ser uma questão desconhecida. Então eu sugiro, ou melhor, proponho: conversem com alguém homossexual por cinco minutos. Se continuarem convencidos de que é completamente impossível ter uma amizade com aquela pessoa, ter coisas em comum e trocar experiências de vida, tente conversar com outra pessoa porque essa provavelmente é muito chata (de chatos o mundo tá cheio). É uma questão tão pequena, tão besta, tão pessoal e afastada do convívio social que eu te garanto, com toda a certeza da minha vida, que nesses cinco minutos você perceberá que não precisa impedir que morem na mesma casa que você. Não consigo contar nos dedos as vezes que fiz amizades até o ponto em que contei que era gay. É algo tão sem importância para uma amizade se formar que só faz diferença para alguns quando eles ficam sabendo.

Outra coisa que percebi é que realmente a maior questão para muitos homens na faculdade em relação a aceitar gays é o medo de desonrar o nome de uma casa (ou talvez pressão de ex-alunos). Bom, gente, vocês já sabem disso mas é sempre bom lembrar: muitos dos ex-alunos hoje são gays assumidos. Alguns casados. Alguns até com filhos. Eles moraram na mesma casa que você, são gays, eram gays quando moravam aí e ninguém nem reparou. Olha quanta diferença fez. Não é desonra ter um cara assumido na sua casa. Num mundo sensato, isso deveria ser motivo de orgulho. Porque sair do armário é ter coragem. É ver sua mãe dizendo que preferia morrer a ter você no mundo. Ser convidado a uma terapia cristã para uma conversão que não existe. É dar bom dia para o pai e receber de volta uma cara de nojo. Tudo isso por muito tempo até o ponto em que eles percebem que você é a mesma pessoa que sempre foi. E depois enfrentar o resto do mundo, tendo entrevistas de emprego recusadas porque você cometeu o erro de falar que tinha um parceiro e, além de tudo, o escárnio ocasional e o barulho nas redes sociais e no meio da rua. Bom, pelo menos eu passei por isso. Para alguns é mais fácil. Para outros, rola ser expulso de casa. Eu me sinto corajoso por ter admitido para todos que pretendo me relacionar com homens e que não vejo mais problema nisso. Não acho que isso deveria afetar minhas amizades, mas infelizmente acaba sendo o caso, né?

Se vocês querem mesmo melhorar, tornar a UFOP mais diversa, o aluguel universitário em Ouro Preto mais barato e nossa formação humana mais valiosa, levem adiante a ideia de que essa segregação não precisa existir. Levem adiante a ideia de que a mulher tem o mesmo valor que o homem. Comecem a enxergar os seres humanos como todos iguais, independente de tudo – passado, cor, com quem se relaciona ou qual o órgão genital. Porque no fim das contas, nós somos mesmo todos iguais. E isso não é uma ideologia política nem social. Não é esquerdismo nem querer destruir a família heterossexual. É só uma pessoa sendo boa e tolerante. E pra isso você não precisa deixar seus ideiais de lado, só precisa aprender a aceitar o diferente.

Quero mandar um agradecimento final a todas as repúblicas femininas e masculinas que passaram desse ponto e passaram a aceitar todos os calouros, verdadeiramente todos os calouros. Quero agradecer aos republicanos e republicanas que me receberam de braços abertos em suas casas e como amigo, que jogaram um truco, trocaram ideia, tomaram (muita) cerveja comigo. Aos caras que defendem quem é gay pros amigos sem medo de serem vistos como gays também (ao invés de ouvir uma zoação maldosa e olharem para o chão). Às republicanas que lutam pelas mulheres nessa nossa universidade, mesmo que agora até mesmo algumas mulheres as vejam como histéricas malucas. Agradeço aos dois que são hoje meus melhores amigos, os caras que me acolheram, moram comigo e estiveram sempre do meu lado nesse tempo todo (e que espero que fiquem do meu lado até o fim desse curso). Quero agradecer a toda a UFOP pelo melhor ano que eu já tive até aqui e por todo o crescimento pessoal e acadêmico que vieram junto. Hoje tenho certeza do que serei, e quem serei, graças a esse lugar. E é por isso que todas as minhas atitudes, convivências e ideias estarão sempre viradas para o bem de todo mundo que está à minha volta, mesmo que eu falhe de vez em quando. E é por isso, também, que quero e peço que todo mundo, todo mundo junto, faça o possível para que a UFOP seja ainda melhor nos períodos que virão. Para os homens, mulheres, pais, filhos, gays, heteros, lésbicas, trans, negros, brancos, asiáticos, imigrantes, intercambistas, ouropretanos, seres humanos que compõem essa nossa un ivers idade.

Não escreverei mais sobre esse assunto. Espero que minha formatura em 2020 seja frente a uma UFOP mais igualitária e unida. Torcerei e pautarei minhas atitudes em prol disso. Espero que não seja só eu.

Comentários no Facebook
By | 2015-11-04T22:16:44-03:00 novembro 4th, 2015|Político|0 Comments

About the Author:

Claudio
Mineiro de 25 anos apaixonado por tecnologia, inovação, ciências e comunicação. Ávido por aprender e compartilhar cada vez mais, e apaixonado por emitir opiniões que possam tornar o mundo melhor.

Leave A Comment

%d blogueiros gostam disto: